Menu
Eventos

Santo António: o Santo casamenteiro da cidade de Lisboa

Dia de Santo António, festa de Santo António, Noivas de Santo António ou Casamentos de Santo António… algum destes termos lhe soa familiar? 

Embora o Estado português seja considerado um estado laico, existe uma tradição católica muito enraizada no país. É, por isso, muito comum adorar e rezar a vários santos, fazer-se promessas, esperar milagres. E a celebração ao Santo António é precisamente um dos casos que mais demonstram este religioso costume.

Santo António, o santo dos sermões que perduram até hoje

Nascido em Lisboa, em 1195, também é conhecido como Santo António de Pádua, cidade italiana onde veio a falecer, no ano de 1231. Homem viajado, com estudos e reconhecido por ensinar teologia em diversas universidades europeias, é o mais popular de todos os Santos portugueses e toda a gente o adora um pouco por todo o mundo. Esta devoção a Santo António deve-se à sua generosidade e bondade para com os pobres, que comoveu todos à sua volta; mais uma razão pela qual não tardou a ser canonizado pela Igreja Católica, menos de um ano após falecer.

É em Lisboa que António de Pádua é especialmente adorado, sendo conhecido como o Santo casamenteiro da cidade - diz a lenda que foi um excelente conciliador de casais. O dia da sua morte, 13 de Junho, feriado municipal, é uma das datas mais importantes para a capital, onde é tido como padroeiro - embora, para a Igreja Católica, o verdadeiro Santo padroeiro de Lisboa seja São Vicente e, portanto, ambos sejam reconhecidos como santidades dignas de comemoração.

Casamentos de Santo António: uma tradição intemporal

Na véspera do dia de Santo António, Lisboa enche-se de amor: o dia das Noivas de Santo António ou o dia dos Casamentos de Santo António chegou finalmente! Este é talvez o evento religioso mais tradicional e relevante da capital, realizado desde 1958. Com um objectivo muito nobre - o de tornar o casamento possível aos casais que vivem com dificuldades financeiras - é sempre comemorado no dia 12 de Junho, véspera do feriado, na Igreja de Santo António, em Lisboa.

Nos dias de hoje, são 16 os casais que se unem em matrimónio, uns na cerimónia religiosa, outros na cerimónia civil, proporcionando uma enorme felicidade às suas famílias e a todos os lisboetas que seguem estes enlaces, quer nas ruas da cidade, como através da transmissão televisiva. 

Por isso, se está pela capital, ou planeia fazê-lo brevemente, participe nas festividades de Santo António juntamente com todas as famílias lisboetas, para que possa envolver-se no espírito de amor e alegria que todos vivem em cada rua da cidade, especialmente nos bairros. Só assim consegue perceber por que razão o Santo António é de Lisboa e porque tantas pessoas, sejam crianças ou adultos, lhe são sempre tão devotos. 

Além disso, Junho é um mês muito especial, já que pode não só desfrutar dos Casamentos de Santo António, como também das Festas dos Santos Populares e das Marchas Populares de Lisboa, no mesmo dia e até ao amanhecer. 

E então, o Santo António, o casamenteiro, é cativante o suficiente para que venha fazer uma visita a Lisboa?

Últimos posts

Restaurante BAHR
Onde comer

Jantar romântico em Lisboa: onde levar a sua cara metade?

Já muito lhe contámos sobre esta cidade: que tem uma luz radiante, paisagens esplendorosas, lugares encantadores e carregados de histórias de “fazer chorar as pedras da calçada”. Mas o que ainda não revelámos é que as “gentes” de Lisboa — um povo profundamente caloroso e acolhedor — tem os sentimentos à flor da pele e derrete-se facilmente com uma linda história de amor. E que esta é a cidade perfeita para desfrutar de um jantar romântico com quem mais ama.

Saiba mais
Pastelarias em Lisboa: Jesuita
Onde comer

Pastelarias em Lisboa que lhe deixam água na boca

Dizem que uma cidade pode conquistar um turista pelo estômago; no caso desta capital, podemos mesmo afirmá-lo com toda a veemência. Que digam todos aqueles que têm o privilégio de provar as iguarias mais tradicionais nas várias pastelarias em Lisboa — lugares que adoçam a alma e o espírito dos mais gulosos e que, sobretudo, reflectem uma tamanha e inigualável “portugalidade”.

Saiba mais